segunda-feira, 23 de abril de 2018

Nada é mais reacionário do que não ter olhos nas pessoas que vivem no presente.


America in the eyes of an Alien O1:
#008 Holiday for the end of all wars

(autor: Céu D'Elia, 2017-2018)
Simplesmente não é possível defender as causas sócio-ambientais do Brasil de forma séria, e ao mesmo tempo ser petista.
Ou uma coisa, ou outra.
O que se passa é que há muitas pessoas que defendem causas sócio-ambientais (ou indígenas) simplesmente para "lacrar", porque "pega bem".
Mas não há como saber sobre a participação do PT nas negociações escusas com a Nestlé, na construção de Belo Monte, na mudança do Código Florestal, ou nos acordos com a Monsanto, e continuar sendo petista. 

Não há como entender qual foi o projeto realmente implantado pela presidência petista (de consumismo voraz o mais elementar, e totalmente retrógrado em termos de tecnologia limpa) e achar que isso é coerente com os problemas reais que o mundo precisa resolver com urgência. E que afetam especialmente as pessoas mais pobres.

E mais: PSOLista também. Porque não dá pra ficar pulando de um lado pro outro, conforme a ocasião. Ou se entende que a situação é crítica, que chegou em um ponto sem retorno, ou não se entendeu nada do que está acontecendo com o planeta, e qual o papel do Brasil.


Registrando bem claramente isso.
É a partir dessa premissa que eu me coloco, pra quem quiser saber de onde parte meu raciocínio sobre política. Eu quero saber quem está trabalhando MESMO para lidar com os problemas reais da falta de água, da poluição, das doenças, do consumismo psicótico, da perda da biodiversidade e suas consequências.

Nada a ver com essa coisa colonizada de dividir o mundo em esquerda e direita. Essa lógica "esquerda-direita", talvez sirva para a Europa. E para a Folha de São Paulo vender jornal. E para uns professores que nunca saíram da sala de aula na vida, vender livro e palestra.

Aliás, o que mais deploro no pensamento político europeu, quando o assunto é o mundo, é que eles querem impor sua lógica aos países da América Latina (e da África e da Ásia).
O eixo esquerda-direita "talvez" faça sentido em seus países, ricos, ainda com famílias reais e nobreza, e totalmente industrializados (não por coincidência depois de séculos de colonização de outras terras).
Mas quando querem explicar ou compreender a história e as necessidades da América Latina com base nesse eixo, repetem novamente a lógica da colonização e do apoio ao totalitarismo.


E mesmo na Europa, desde o agravamento das crises de matrizes energéticas e de imigrantes das ex-colônias, essa teoria "esquerda-direita" também começou a não fazer mais sentido. 
 

Nada é mais reacionário do que não ter olhos nas pessoas que vivem no presente.

- Ei, você aí, brasileirx espertinhx, que CRÊ fielmente que a sociedade pode ser dividida em esquerda e direita, uma teoria criada na Europa, por homens brancos. Já percebeu que na verdade seu cérebro está colonizado? Que você foi catequizadx, xuxu?

Então, como um país pode se achar independente, se nem mesmo intelectualmente ele é livre?  
Descolonize sua mente.  
Quando o Brasil começar a pensar por conta própria, a gente retoma essa conversa.


Este aqui é pro tal "Dia da Terra". Sei... Acorda, mané!!!!

Pronto.

Céu, Planeta Terra, 22 de Abril de 2018.

O Anjo da História diz:

OUT OF MODEL: got to get you into my life

ou: Out of Renaissance via Refusés Model - A homenagem mais homenageada da história da arte? - A referência mais referida da histór...

Top 10 + Populares