sábado, 6 de dezembro de 2014

Nada

Eu nado onde não há nada.
Nada ninguém, nem nada comigo.
Nado porque se não me afogo,
No nada que faz de mim meu único abrigo.

Sem comentários:

Enviar um comentário