quinta-feira, 7 de janeiro de 2010

A folha vai. A noite ia.



EPIGRAMA N.o 9
O vento voa,
a noite toda se atordoa,
a folha cai.
Haverá mesmo algum pensamento
sobre essa noite? sobre esse vento?
sobre essa folha que se vai?

ALTA NOITE
Alta noite já se ia, ninguém na estrada andava.
no caminho que ninguém caminha, alta noite já se ia, ninguém com os pés na água.
Nenhuma pessoa sozinha ia, nenhuma pessoa vinha.
nem a manhãzinha, nem a madrugada,
nem a estrela guia, nem a estrela d’alva,
Alta noite já se ia, ninguém na estrada andava.
no caminho que ninguém caminha, alta noite já se ia, ninguém com os pés na água.

(Epigrama N.o 9 de Cecília Meireles/ Alta Noite de Arnaldo Antunes)

Sem comentários:

Enviar um comentário